• PROJETO DE LEI 3199/2014, QUE CRIA O CENTRO CULTURAL DO COMPOSITOR MUSICAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – CCCMERJ – 11.05.2017



    Texto da Ordem do Dia

    ANUNCIA-SE A 2ª DISCUSSÃO, EM TRAMITAÇÃO ORDINÁRIA, DO PROJETO DE LEI 3199/2014 , DE AUTORIA DO DEPUTADO PAULO RAMOS, QUE CRIA O CENTRO CULTURAL DO COMPOSITOR MUSICAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – CCCMERJ, AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A CRIAR O CONSELHO ESTADUAL DO COMPOSITOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – CECOMP/RJ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

    fachadatm2-23tratO SR. PRESIDENTE (André Ceciliano) – Em discussão a matéria.

    Para discutir, o autor da matéria, Deputado Paulo Ramos.

    O SR. PAULO RAMOS (Para discutir a matéria) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, venho discutir esta matéria muito mais para prestar uma homenagem ao corpo artístico do Theatro Municipal. Todos nós estávamos presentes ao ato que chamo de insanidade, mas que corrobora a pretensão do Governo de transferir para a iniciativa privada todas as suas responsabilidades públicas, inclusive na área cultural.

    Estávamos aqui quando a maioria nesta Casa aprovou a possibilidade de privatização de todos os equipamentos públicos da área cultural, entre eles, o Theatro Municipal. Houve uma reação muito grande porque, se já era inaceitável a privatização da escola de música, da escola de teatro, imaginem a do Theatro Municipal!

    A apresentação nesse plenário de todo o seu corpo artístico, coro, corpo de baile, de música, certamente foi muito comovente, e o Theatro Municipal foi excluído daquele desvario pretendido pelo Governo do Estado. Agora, quando muitos servidores, aproximadamente 208 mil, ativos e inativos, e pensionistas estão sem receber os seus salários, assistimos a mais uma reação do corpo artístico do Theatro Municipal, fazendo uma apresentação nas escadarias do Theatro, na Cinelândia, mobilizando a população, demonstrando a importância do Theatro, mas, acima de tudo, denunciando um Governo que perdeu completamente a sensibilidade e o respeito ao servidor público e à opinião pública.

    Portanto, venho a esta tribuna mandar um forte abraço para o corpo artístico do Theatro Municipal, dizendo que, com um grau razoável de certeza, a insensibilidade deste Governo poderá, ou deverá, levar o Governador Pezão ao impeachment. De qualquer forma, parabéns pela luta que continuam travando!

    Sr. Presidente, a criação do Centro Cultural do Compositor Musical do Estado do Rio de Janeiro é uma reivindicação dos compositores populares. E aproveito para mandar um abraço, numa homenagem póstuma, para o Barbosão, que era um grande músico, regia bandas pelos subúrbios na época em que estava no serviço ativo do Exército Brasileiro. Ele foi um grande compositor e presidia a entidade representativa dos músicos. Agora, sucedendo-o, mas que participava também da luta, nós temos outro grande compositor, o Jaú. Quero desta tribuna mandar um abraço a todos os compositores musicais na pessoa do nosso Jaú.

    Voltando ao que falava anteriormente, criar um centro cultural para o compositor musical é uma forma de prestigiar as manifestações culturais do nosso Estado. Portanto, agradeço. Mais uma vez, Jaú, vamos tentar ver se aquilo com que os músicos e os compositores musicais vêm sonhando há muito tempo será realizado no Estado do Rio de Janeiro com o apoio da Assembleia Legislativa.

    Muito obrigado.

    O SR. PRESIDENTE (André Ceciliano) – Não havendo mais oradores inscritos para discutir a matéria, encerrada a discussão.

    Em votação. Os Srs. Deputados que aprovam a matéria permaneçam como estão. (Pausa)

    Aprovada. Vai a Autógrafo.

    O SR. JANIO MENDES – Peço a palavra pela ordem, Sr. Presidente.

    O SR. PRESIDENTE (André Ceciliano) – Tem a palavra pela ordem, o Deputado Janio Mendes.

    O SR. JANIO MENDES (Pela ordem) – Sr. Presidente, quero registrar e agradecer aqui a presença do Vereador Ton Porto, do Município de Arraial do Cabo, que muito nos honra. Muito nos anima a presença da juventude na militância política.

    O SR. PRESIDENTE (André Ceciliano) – Seja bem-vindo.

    Fonte: Site da Alerj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *