• DÍVIDA DA VARIG COM FUNCIONÁRIOS PODERIA TER SIDO QUITADA SEM A VENDA DA EMPRESA

    Por Octacílio Barbosa
    Foto geral da reunião

    Caso a indenização em favor da Varig pelo congelamento de tarifas realizado na década de 1980 tivesse sido paga pela União, a empresa poderia ter se recuperado financeiramente sem ser vendida. O dinheiro teria sido suficiente para quitar a dívida da companhia aérea com o fundo de previdência Aerus e com os ex-funcionários demitidos que não receberam até hoje os seus direitos. A informação foi apresentada na manhã desta terça-feira (05/12) pelo ex-gestor judicial da Varig, Miguel Dau, durante audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que investiga a falência da empresa.

    De acordo com Dau, além de sanar o débito com os aposentados e pensionistas do Aerus, a indenização também conseguiria liquidar as rescisões trabalhistas que até hoje não foram pagas aos ex-funcionários da companhia. A ação contra a União foi promovida pela Varig devido ao congelamento de tarifas nos anos 80, que provocou um grande desequilíbrio econômico na empresa. A ação já foi julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas ainda não se sabe quando o dinheiro será pago.
    Financiamento do BNDES questionado

    Na audiência, também foi ouvido o especialista do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Sérgio Varella. Varella relatou que o BNDES interveio na crise da Varig oferecendo um financiamento para ajudar na recuperação financeira da empresa. “A Varig estava correndo o risco de ter suas aeronaves arrestadas permanentemente. Então, o BNDES concedeu um financiamento aos interessados na compra da companhia: cobriríamos dois terços do custo de aquisição da empresa”, afirmou.

    Porém, o comandante Elnio Borges, vice-presidente da Associação de Pilotos da Varig, contestou o empréstimo oferecido, segundo ele, “sem necessidade”. “As empresas interessadas queriam comprar a Varig por US$ 62 milhões. Porém, uma avaliação foi feita e divulgada pela imprensa, que estimava o valor de mercado da companhia em US$ 350 milhões. O BNDES ofereceu o financiamento de dois terços deste valor, que era o preço justo. Mas no fim, a Varig foi vendida por apenas US$ 62 milhões, e ainda assim os investidores receberam o empréstimo”, declarou. Segundo Varella, o financiamento foi quitado em poucos meses, antes do prazo concedido.

    O deputado Paulo Ramos (PSol), presidente da CPI, afirmou que irá cobrar do BNDES esclarecimentos quanto ao empréstimo. “Está evidente que o caso Varig foi uma grande maracutaia, com a participação de instituições importantes. O sofrimento hoje está sendo suportado pelos ex-funcionários da empresa, que morrem vendo ser confirmado cada vez mais o crime que foi praticado contra o país e contra eles”, declarou o parlamentar ao fim da sessão.
    Também participou da audiência o deputado Tio Carlos (SDD).

    Fonte: Site da Alerj

3 Respostasaté agora.

  1. Marco disse:

    Obrigado ao comandante Elnio Borges por ter conteatado o empréstimo do BNDS que salvaria a VARIG.
    Parabéns.

  2. Leandro terra seca disse:

    Parabéns ao deputado P Ramos por ter abraçado essa causa sem demagogia. Tenho 71 anos e Trabalhei na VARIG por 25 anos. Sofri como todos a covardia feita pelo governo e oportunistas. Sofremos por dez anos algo parecido com o q ocorre hj com os funcionarios do estado e município. Alguns sofrem até hj.

  3. Wanderley disse:

    Cobra do Lula, Dilma e Dirceu, que contribuíram e muito pra quebrar a Varig,desde o governo Collor que deviam em defasagem tarifária em 2096, ultrapassava os $ 4 bilhões, foi ganancia, vingança e politicagem, mas tinham dinheiro do BNDES, pra DAR pra Cuba e Venezuela, hoje todos livres, leves, soltos e bilierdarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *