• MORADORES DE SAMBAETIBA PODERÃO TER ISENÇÃO DE PEDÁGIO NA RODOVIA RJ-116

    .

    Os moradores do distrito de Sambaetiba, no município de Itaboraí, Região Metropolitana do Rio, podem ficar isentos do pagamento do pedágio da rodovia RJ-116, localizado entre o distrito e o centro da cidade. A rodovia liga Itaboraí até o município de Macuco, na Região Serrana. Atualmente, a via é administrada pela concessionária Rota 116 e o valor do pedágio para carros ou caminhonetes com um eixo simples é de R$ 5,80. A determinação da isenção do pedágio é do projeto de lei 4.356/18(de autoria do Deputado Paulo Ramos), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta terça-feira (25/09), em primeira discussão. O texto ainda precisa ser votado em segunda discussão pela Casa.

    Atualmente, a RJ-116 tem quatro praças de pedágio. Uma emenda aprovada durante a votação também concede isenção de pagamento de pedágio aos moradores do bairro de Boca do Mato, em Cachoeiras de Macacu, e do distrito de Banquete, no município de Bom Jardim. Todas as isenções valem apenas para a praça do pedágio localizada nessas regiões.

    Para receber a isenção, os moradores devem apresentar à administração da rodovia um documento que comprove residência fixa nas localidades por, no mínimo, dois anos. O cadastro do veículo também deve ser renovado anualmente junto à concessionária da rodovia. Cada morador somente poderá cadastrar um automóvel para receber a isenção, que deve ter placa dos municípios em que os moradores vivem.

    Moradores de Sambaetiba acompanharam a votação nas galerias do Plenário. O presidente das associações de moradores do município de Itaboraí, Antônio Luiz Português, explicou que o distrito quase não tem oferta de serviços públicos essenciais. “Os moradores precisam pagar duas tarifas para conseguirem ir a hospitais e escolas, por exemplo. Muitas vezes para resolver simples problemas bancários também é necessário o pagamento do pedágio. Acredito que essa cobrança para os moradores locais é desnecessária”, afirmou Antônio Luiz.

    Fonte: Site da Alerj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *