COMISSÃO DE TRABALHO DA CÂMARA FEDERAL REALIZA DEBATE NA ALERJ, PRESIDIDO PELO DEPUTADO FEDERAL PAULO RAMOS (PDT/RJ), SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA.

Reforma da Previdência, corte de 30% nas verbas das universidades e institutos federais, e privatizações de empresas estatais foram os principais temas discutidos nesta segunda-feira (06/05) no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), em debate promovido pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara Federal e presidido pelo deputado federal Paulo Ramos (PDT/RJ), que é membro titular da comissão. Segundo o parlamentar, essas propostas não atendem aos brasileiros.

“É preciso que os setores organizados da sociedade, os trabalhadores e servidores públicos pressionem os parlamentares, deputados e senadores. Essa reforma não interessa ao país. E nós não podemos aceitar as privatizações. Aquilo que ainda resta afirmando a soberania nacional querem entregar. E o corte de verbas das universidades é outro crime. Como cortar verbas das faculdades que são as melhores do país?”, questionou Paulo Ramos.

Presente ao debate, a deputada estadual Martha Rocha (PDT) destacou que o atual presidente tinha um posicionamento contrário à Reforma da Previdência quando era deputado federal: “Embora esses temas estejam em discussão na Câmara dos Deputados, é impossível desconhecer a importância que eles têm para a vida dos brasileiros. Vemos que as decisões que estão sendo levadas hoje ao plenário da Câmara já foram todas rechaçadas pelo atual presidente”.

O diretor do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, Ronald Carvalhosa, também desaprova a reforma da Previdência e disse que a proposta é somente uma transferência de recursos do setor público para o privado: “Querem tirar a credibilidade da Previdência para forçar todo mundo a comprar plano de benefícios dos bancos”.
Participaram também do debate representantes de vários sindicatos e da juventude do PDT, o juiz João Damasceno (TJ/RJ), e o ex-ministro da justiça, Alexandre Dupeyrat.

 

 

Fonte: Site da Alerj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *